quinta-feira, 8 de março de 2012

A Mulher Celta



Na cultura Celta o que espanta é a relativa independência da mulher em relação ao homem.
A mulher pode ter bens próprios, como objetos de uso, jóias e cabeças de gado.
Como o sistema celta admitia a propriedade mobiliária individual juntamente com uma propriedade rural coletiva, a mulher podia dispor de tal propriedade a seu bel-prazer, vendendo-a se assim quisesse, adquirindo outras por meio de compra, de prestação de serviços ou por doação.
Ao casar-se, a mulher conservava seus bens pessoais e os levava consigo em caso de dissolução do casamento.
O casamento celta, aliás, era uma instituição flexível, resultante de um contrato cuja duração não precisava necessariamente ser definitiva.
A mulher escolhia livremente seu marido, pelo menos teoricamente, pois às vezes os pais arranjavam casamentos por oportunismo econômico ou político. Mas mesmo nestes casos, a rapariga era consultada.
Aliás, no quadro do casamento, tudo dependia da situação pessoal dos esposos. Quando a mulher possuía menos bens que o marido, era este quem dirigia a casa, sem recorrer à mulher. Mas se as fortunas do homem e da mulher fossem iguais, o marido não poderia dirigir a casa sem o consentimento da esposa.
A sociedade celta sempre reservou à mulher um lugar de honra, e nos melhores momentos irlandeses - épicos ou mitológicos - lá onde o paganismo se manteve mais forte, ela aparece como poetisa encarregada das profecias e mágicas.
A importância e o respeito concedidos à mulher se expressavam em todos os aspectos da cultura celta. O clã e as linhagens seguinam a linha materna; os filhos adotavam o sobrenome da mãe, assim como as filhas, que eram herdeiras dos bens familiares. Além do culto à Grande Deusa, havia ainda deusas de guerra, e as próprias mulheres participavam dos combates, acompanhando e às vezes conduzindo os homens.


As Druidesas Da Grande Deusa

Na Magia Wicca, a Grande Deusa recebe o título de "Mãe de todas as bruxas", porque nos primórdios da religião só as sacerdotisas oficiavam o culto, ainda que, com o passar do tempo, permitiu-se que os homens também se iniciassem como druídas.
As druidesas dividiam-se em três categorias, segundo o conhecimento e dons esotéricos. As de mais alto nível permaneciam solteiras e viviam em comunidades dedicadas ao culto, por isso alguns autores as consideravam como modelo das monjas cristãs.
As outras duas classes sociais de druidesas exerciam funções e ritos sacedotais, mas podiam se casar, ter filhos e compartilhar a vida da comunidade.
Diz-se que essas mulheres sábias e detentoras de dotes mágicos foram qualificadas como bruxas por romanos cristãos.


As Noivas Férteis

Os celtas consideravam o sexo como um dom da natureza, do qual cada pessoa podia desfrutar livremente. Longe de reprimi-lo, estimulavam e celebravam sua prática, e de certa forma veneravam a concepção como uma graça divina.
As jovens virgens eram respeitadas como executoras de ritos específicos e como possíveis druidesas de maior valor, mas as mães solteiras eram preferidas como futuras esposas, pois já haviam demonstrado fertilidade.



A Donzela, a Mãe e a Maga

Dentro deste mundo de dominância feminina, a grande Deusa encarnava os atributos que a cultura celta mais valorizava nas mulheres: a donzela, símbolo da pureza, amor e juventude; a mãe, figura fecunda que exercia o mistério da concepção, dominando o desenrolar das gerações; e a maga, dona dos mistérios do universo e senhora da terra e da lua.


A Donzela


Regia na época da lua crescente; sua cor emblemática era o branco ou os matizes mais luminosos do amarelo e do rosa. Sua figura representava o florescimento da vida, a primavera e a transposição das gerações.


A Mãe
Era invocada nas noites de lua cheia; suas cores eram o vermelho e o verde, muito frequentes na simbologia dos povos de origem celta. Reinava em particular na plenitude do verão, representando a maturidade, a abundância e a fertilidade.


A Maga

Último ponto do ciclo vital, reinava sobre o quarto minguante da lua; suas cores eram o preto, o cinza e o vermelho escuro. Simbolizava a união da velhice e da sabedoria, o inverno da vida que preparava um novo renascer na reencarnação.
Dependendo do momento e do propósito do ritual, ou do próprio ritual, a Grande Deusa podia ser invocada sob qualquer uma dessas três figuras. Às vezes aparecia acompanhada por Cernunnos, o deus cornífero, o qual algumas tradições consideram seu consorte e outras, uma emanação do lado masculino da Divindade.

Mandamentos da mulher Celta:

“Ama teu homem e o segue, mas somente se ambos representarem um para o outro o que a Deusa Mãe ensinou: amor, companheirismo e amizade.

Jamais permita que algum homem a escravize.

Você nasceu livre para amar, e não para ser escrava.

Jamais permita que o seu coração sofra em nome do amor.

Amar é um ato de felicidade, por que sofrer?

Jamais permita que seus olhos derramem lágrimas por alguém que nunca fará você sorrir.

Jamais permita que o uso de seu próprio corpo seja cerceado.

Saiba que o corpo é a moradia do espírito, por que mantê-lo aprisionado?

Jamais permita que o seu nome seja pronunciado em vão por um homem cujo nome você sequer sabe.

Jamais permita que o seu tempo seja desperdiçado com alguém que nunca terá tempo para você.

Jamais permita ouvir gritos em seus ouvidos.

O Amor é o único que pode falar mais alto.

Jamais permita que paixões desenfreadas transformem você de um mundo real para outro que nunca existiu.

Jamais permita que outros sonhos se misturem aos seus, fazendo-os virar um grande pesadelo.

Jamais acredite que alguém possa voltar quando nunca esteve presente.

Jamais permita que seu útero gere um filho que nunca terá um pai.

Jamais permita viver na dependência de um homem como se você tivesse nascido inválida.

Jamais se ponha linda e maravilhosa a fim de esperar por um homem

que não tenha olhos para admirá-la.

Jamais permita que seus pés caminhem em direção a um homem que só vive fugindo de você.

Jamais permita que a dor, a tristeza, a solidão, o ódio, o ressentimento, o ciúme,

o remorso e tudo aquilo que possa tirar o brilho dos seus olhos a dominem,

fazendo arrefecer a força que existe em você.

E, sobretudo, jamais permita que você mesma perca a dignidade ser mulher."


8 comentários:

  1. Ficou linda essa postagem, parabéns.
    As mulheres eram muito amadas e respeitadas nas culturas antigas, principalmente na Celta.
    Tenha um lindo final de semana.
    Beijos de gnomos.
    Lua.

    ResponderEliminar
  2. Cara eu adoro a cultura celta, é tipo, tão celta

    ResponderEliminar
  3. Que cultura linda e tão civilizada. Eles eram melhores do que nos somos hoje.

    ResponderEliminar
  4. que estas palavras soem alto em minha alma que tanto padece

    ResponderEliminar
  5. as mulheres de hoje, esqueceram em parte todos os bons mandamentos e vontade propria de serem grandes e independente, celtas ou não, a falta de amor proprio é a causa de muita desgraça, e meninas, a culpa é unicamente nossa! Não desçam a fasquia porque TODA a agente o faz, se for moda chegarmos aos 20 anos e deitarmo-nos a um poço vai tudo atrás fazer o mesmo?!!!!...namasté

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Com certeza! Amor próprio acima de tudo!

      Eliminar
  6. Oi você pode por favor criar uma página no facebook?

    ResponderEliminar
  7. Maravilhas encontradas para um aprendiza de estilo,adorei .

    ResponderEliminar